O tabu continua. Com a derrota do Santos para o Atlético-MG por 1 a 0, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro de 2016, o Peixe mantém a sequência de registros ruins na rodada de abertura do torneio nacional, que já dura mais de uma década. O gol de Cazares, ainda no primeiro tempo, fez com que a última vitória do alvinegro praiano na estreia da liga continue sendo a obtida sobre o Paysandu, por 4 a 1, em 24 de maio de 2005, no Estádio Anacleto Campanela, em São Caetano.

Com relação aos jogos fora de casa, o último registro positivo ocorreu ainda no último milênio, quando o Santos venceu o Paraná por 2 a 0, no Vila Olímpica do Boqueirão, em Curitiba, em 25 de julho de 1999. Naquela época, o torneio ainda era disputado em formato de pontos corridos, e o Peixe, até então hexacampeão nacional, tinha Emerson Leão como treinador. Dodô e Aristizábal foram os autores dos gols na ocasião.

A derrota encerra uma boa sequência do Santos, que vinha de 15 partidas sem perder. O último revés do Peixe tinha sido há dois meses e meio. O desempenho fora de casa foi uma preocupação para o time da Vila Belmiro no Campeonato Brasileiro de 2015. No torneio, os torcedores do Peixe comemoraram apenas uma vitória como visitante, em cima do Cruzeiro.

Já classificado para a próxima fase da Copa do Brasil, o Santos só volta a jogar no próximo domingo (22), quando encara o Coritiba na Vila Belmiro, às 11h. No mesmo horário, o Atlético-MG visita o Atlético-PR na Arena da Baixada.

Desfalques

Os donos de casa vieram para campo com o time reserva, visando o duelo decisivo contra o São Paulo na quarta-feira (18), pelas quartas de final da Libertadores. Outro desfalque foi Robinho, com lesão muscular. O reencontro do rei das pedaladas com a torcida de seu ex-clube terá de esperar.

Já o Santos escalou o time titular, com exceção, justamente, dos dois principais nomes do time: Lucas Lima e Ricardo Oliveira. Os dois passaram a semana em tratamento após jogarem no sacrifício contra o Audax, no último domingo (8), na partida que culminou no 22º título paulista do Peixe, e ainda não estavam em condição de jogo.

Com a bola rolando, o atacante Hyuri foi o primeiro do Alético-MG a mostrar serviço. Logo aos 3, recebeu livre na direita e invadiu a área, mas chutou para fora. O momento de mais perigo seguinte também foi do Galo. Dez minutos depois, o zagueiro Tiago aproveitou cobrança de falta para cabecear ao lado do gol.

O goleiro Vanderlei só precisou agir mesmo no minuto seguinte, quando uma saída de jogo errada de David Braz acabou nos pés de Cazares. O equatoriano, que vinha tomando um gelo do treinador Aguirre devido a atitudes extra-campo após um ótimo início de temporada, arriscou de longe e exigiu bela defesa do arqueiro santista. Na cobrança de escanteio que o lance resultou, porém, o número 1 do Peixe não pode fazer nada. O mesmo Cazares aproveitou a falta de tempo de bola de David Braz para receber belo lançamento de Gabriel, dominar já na entrada da área a fuzilar no alto do canto esquerdo de Vanderlei. 1 a 0 galo.

À frente no placar, era o Atlético-MG que comandava as ações ofensivas. Cazares infernizava a defesa do Santos, dando passes em profundidade, finalizando e driblando. Chance boa para os visitantes, mesmo, só aos 30, em belo passe de Gabriel para Paulinho. O atacante recebeu livre na área em posição legal, mas o bandeira assinalou impedimento. Aos 39, novamente com Gabriel, o Santos teve um lance de perigo. O camisa 10 invadiu a área adversária pela direita e cruzou rasteiro para o centro. Ninguém do Peixe apareceu para conferir.

Ainda havia tempo para duas boas chances no primeiro tempo, que vieram para o lado do Galo. O atacante Clayton se adiantou a Zeca e cabeceou para o gol aos 44. A bola passou próxima do gol defendido por Vladimir. O goleiro foi exigido no minuto seguinte, fazendo uma defesa em dois tempos após a bicicleta de Eduardo.

Placar inalterado

O Santos voltou para o segundo tempo com uma alteração. Serginho substituiu Paulinho no ataque dos visitantes, em uma troca de peças promovida por Dorival Jr. Dono dos lances de mais perigo do setor ofensivo do Peixe no primeiro tempo, Gabriel voltou a ser uma ameaça para o Galo logo no primeiro minuto da etapa complementar de jogo. O chute colocado passou acima do alvo.

Aos 12, foi a vez do Galo mexer no time. Carlos Eduardo deu lugar à Pablo Diogo, deixando a equipe mais ofensiva. O atacante, ainda fresco na partida, teve a chance de ampliar para os donos de casa logo em seu primeiro lance. Renato, batendo rapidamente uma falta, entregou a posse de presente para Cazares, que acionou Pablo na área. Ele tentou o cruzamento mas a bola foi direto para a linha de fundo. O Atlético-MG voltou a ficar próximo de fazer o segundo com Lucas Cândido, em cobrança de falta, aos 17. Vladimir espalmou para escanteio.

Novamente fazendo uma alteração, Dorival Jr. acionou Matheus Nolasco no lugar de Ronaldo Mendes, que não soube fazer a diferença no meio campo santista como substituto de Lucas Lima, mesmo vindo de uma sequência de bons jogos. O jovem de 21 anos fez a sua estreia pelo peixe justamente contra o clube que o formou. Aos 26, em uma das raras chegadas do Santos no ataque, Victor Ferraz bateu de longe e Uilson defendeu em dois tempos, dividindo com Gabriel para agarrar a bola.

Ainda sem entregar os pontos, o treinador do Peixe abriu o time aos 36, ao tirar o volante Renato para a entrada do atacante argentino Maxi Rolon, de 21 anos, recém contratado. Victor Ferraz levou perigo novamente, aos 37, dessa vez da entrada da área. O chute foi defendido pelo goleiro da equipe mineira.

Procurando garantir o placar, foi a vez de Diego Aguirre mexer em seu time, colocando o meio-campo Yago no lugar do atacante Hyuri, aos 41 minutos. Até o fim do jogo, o Santos teve a posse de bola, mas não conseguiu o empate. A derrota interrompe uma sequência de 15 partidas sem perder e entra na lista de estreias sem sucesso do Peixe no Campeonato Brasileiro.

Sobre o autor

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.

comentários