Festival Botecar atrai amantes da culinária e dos petiscos para festa de encerramento

0
646

O aroma dos petiscos feitos na hora com ingredientes tipicamente mineiros, a cerveja gelada, o atendimento rápido e cordial regado a boa música embalaram o público, que, mirando a Serra do Curral, participou do Resenha Botecar, encerrando a terceira edição do festival. Este ano, o tema foi a mineiridade e deu margem para a criatividade extrapolar, passando por inovações na tradicional costelinha de porco até o ceviche mineiro. O grande vencedor da noite foi o prato Despachadinho, da Cervejaria São Romão. A eleição é uma medida entre os votos do público e do júri especializado.

Também foram premiados outros quatro petiscos: Caixotinho dos ovos de ouro (Casa Velha), Barriga na fogueira (Família Paulista), Tentação mineira (Bar do Doca) e Bem mineiro (Bara da Lora). Tão bom quanto o tira-gosto e a cerveja na temperatura certa é o atendimento feito com simpatia e presteza. Eleita pelos clientes como o melhor garçom do Botecar, Jussara Ferreira Ribeiro, do Bar Chefia Camarada, ganhou uma viagem ao Hotel Tauá, em Caeté, na Grande BH, com a família.

Segundo a organização, cerca de 6 mil pessoas trocaram dois quilos de arroz ou feijão pela entrada no festival, realizado no Parque das Mangabeiras. Ao todo, 50 bares participaram do Botecar, patrocinado pelo jornal Estado de Minas e pela Revista Encontro. Antônio Lúcio Martins, organizador do festival desde sua primeira edição, explica que o objetivo é valorizar os ingredientes de raiz, que remetem à cultura mineira, assim como valorizar a transformação feita na cozinha do boteco, evitando o uso de produtos industrializados.

Assim ocorre há 40 anos no Bar do Geraldim da Cida, na Rua Contria, no Grajaú, na Região Oeste. Como explica Consolação Aparecida Araão, a Cida, “o Geraldinho (Geraldo Albertino) faz a parte social e eu fico na cozinha.” Para a terceira edição do Botecar, ela criou o X5, um prato que pode ser considerado uma síntese da cozinha mineira, servida em uma só porção: costelinha, torresmo de barriga, jiló em conserva, mostarda e bolinho de canjiquinha com queijo. O Botecar atraiu 500 mil visitantes entre 6 de abril e 14 de maio e gerou 250 empregos temporários.

Público


O público gostou. As amigas arquitetas Carolina Diniz, de 34 anos, Paula Trindade, de 30, e Raíssa Aspahai, de 29, elogiaram. “Visitei alguns bares durante o Botecar e gostei. Não é só o petisco, o local é agradável, o atendimento bom, a cerveja gelada e o preço acessível”, resumiu Paula. Gabriela Lacerda, de 24, estudante de engenharia química, foi com os amigos e também aprovou o evento e a boa música.

Os alimentos arrecadados serão doados à Jornada Solidária, programa social do Estado de Minas, e a creches da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui