Marketing Médico: o que é permitido?

0
856

Especialista explica até que ponto profissionais da saúde podem chegar para promover seu negócio e quais os principais erros cometidos nesta área

Antigamente, o famoso “boca a boca” era muito usado e considerado suficiente para conquistar clientes e a confiança do público dentro da área médica. Porém, com o crescimento da era digital, a utilização das redes sociais tornou-se muito importante para criar um vínculo com o público. Por esse motivo, o Marketing Médico ganha cada vez mais notoriedade entre especialistas e pacientes.

O administrador e especialista em Marketing Estratégico, Márcio Souza, explica que, ao longo dos anos, o Marketing Médico recebeu diversas definições, mas, atualmente, este termo resume-se como a ciência que analisa estratégias de entrega de valor para os clientes. “Sua principal função é compreender o que é valor para os clientes e entregá-lo no momento exato, potencializando o relacionamento entre ambos”, completou.

O administrador e especialista em Marketing Estratégico, Márcio Souza.

Importância

Hoje em dia, segundo dados de uma pesquisa do Instituto Ipsos, cerca de 80% da população brasileira, com acesso à internet, pesquisa sobre problemas de saúde em sites de busca. Márcio esclarece que, exatamente por esse motivo, o marketing médico se tornou uma das principais formas de levar informação especializada, conquistar confiança e promover ações de relacionamento para gerar resultados dentro de uma empresa. “Através das redes sociais, o médico consegue atingir seu público-alvo, entender suas dúvidas e obter uma interação mais assertiva, baseado nos questionamentos dos pacientes e o que é valor para eles”, comentou o consultor.

Erros

Mas, ao mesmo tempo, com a intenção de chamar mais atenção, alguns profissionais/marcas utilizam meios inadequados para fazer tal promoção. A utilização de imagens e informações indevidas são alguns exemplos.

De acordo com o especialista, por uma questão ética, o marketing médico é muito restrito no Brasil. “O Conselho Federal de Medicina (CFM) mantém regras muito claras a respeito do assunto. É permitido ao médico a divulgação de conteúdo que seja de utilidade pública. Deve-se falar sobre sua especialidade, determinada doença, tratamentos, sempre num tom de esclarecimento, nunca de sensacionalismo”, orientou.

Souza ainda comenta que entre os principais erros cometidos, estão aqueles que divulgam promoções e parcerias suspeitas, com alguns influenciadores digitais, por exemplo. “Geralmente, focar no preço e não no valor da informação é um erro comum também. Além disso, não devemos confundir marketing com publicidade”.

Dicas

O marketing realizado de maneira incorreta pode acarretar em diversos problemas, desde uma simples advertência pelo CFM à cassação da carteira de médico. O especialista indica que o profissional deve sempre obter um olhar crítico sobre o que está sendo divulgado. “Analise sempre o conteúdo e tente não utilizar muitos termos técnicos. O que é óbvio para você, pode não ser para o paciente. Também é muito importante se atentar a qualidade do atendimento, não adianta investir em marketing se a sua equipe não estiver preparada, motivada e qualificada para acolher os pacientes. O marketing médico não se restringe apenas à figura do  médico. A equipe de atendimento, seu staff como um todo, é muito importante para o resultado do consultório”, finalizou.

Fonte: Márcio L. L. Souza, administrador e especialista em Marketing Estratégico. É proprietário da ProxyMed Gestão e Marketing Médico e curador da programação do III Congresso Brasileiro de Clínicas e Consultórios Médicos.

Artigo anteriorA Internet tem todas as dietas do mundo, menos a sua
Próximo artigoUm banquinho e um violão | Paulo Miklos faz apresentação intimista e marcante no Centro Cultural Minas Tênis Clube
Editor e fundador do Jornal Brasil Agora [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 __________________________________________________________________________ Diretor do 'Grupo Conteúdo' - Agência de Notícias | Publicidade & Marketing Digital. Siga o Instagram e leia outras matérias e artigos no perfil:@felipe_jesusjornalista. __________________________________________________________________________ Diretor Responsável do "F&J - Escritório de Assistência & Prevenção Jurídica". __________________________________________________________________________ Formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Relações Públicas (Universidade UIB/EUA), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP), Economia (Universidade UNIP/SP), Bacharel em Direito (Universidade - UNIESP/FACSAL-BH/MG) e Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Univ. UEMC/Espanha). Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ____________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui