Técnicas de reprodução assistida auxiliam na formação das novas configurações familiares

Foto/Crédito: Léo Horta.

Especialista da Huntington Pró-Criar explica quais os tratamentos podem ampliar as possibilidades de ter filhos biológicos

Já faz algum tempo que o tradicional arranjo de família mudou. A formação clássica de pai, mãe e filhos vem dando espaço para novos formatos e a medicina reprodutiva tornou-se uma grande aliada nesse processo. Seja para as produções independentes, de mães ou pais solteiros, ou para os casais homoafetivos, masculinos e femininos, as técnicas de reprodução assistida podem auxiliar na realização do sonho de ter filhos biológicos. 

“A evolução constante da medicina reprodutiva tem permitido que milhões de pessoas em todo o mundo ampliem suas possibilidades de ter um filho. Atualmente, não são apenas os casais heterossexuais que procuram as clínicas em busca de tratamentos de fertilidade”, comenta o Dr. João Pedro Junqueira Caetano, ginecologista e especialista em reprodução assistida da clínica Huntington Pró-Criar.

O médico explica a seguir os tipos de tratamentos disponíveis para cada caso. Confira.

Mulheres solteiras que querem ser mães

Uma mulher que deseja ter um filho sem um parceiro, irá precisar da ajuda de um banco de sêmen. O anonimato é a principal característica dessa doação: a lei brasileira não permite que o laboratório revele a identidade do doador e, tampouco, que ele saiba para quem o seu material foi doado. Assim, é garantido que ele não fará parte da família.

A futura mãe, porém, consegue saber algumas características dos doadores, como altura, cor dos cabelos, dos olhos e da pele, tipo sanguíneo, profissão, origem étnica e hobby. No Brasil, é proibido por lei escolher o sexo da criança.

Na inseminação artificial, o sêmen coletado é inserido direto na cavidade uterina da mulher durante o período de ovulação. Já na Fertilização In Vitro (FIV), o óvulo e o sêmen coletados são fertilizados em laboratório, e apenas os embriões com mais chances de se desenvolverem são transferidos direto para o útero da mulher. A FIV é especialmente interessante para mulheres acima dos 36-37 anos ou com alguma alteração na fertilidade – já que as chances de sucesso são bastante altas, girando em torno de 30% a 40% por tentativa, dependendo da idade da paciente.

Casais homoafetivos femininos

Para os casais formados por duas mulheres, o material genético masculino também vem da doação de sêmen. No entanto, é preciso escolher qual das duas futuras mães irá doar os óvulos e carregar o embrião.

Caso nenhuma das parceiras possua problemas de infertilidade, é permitida a gestação compartilhada, ou seja, uma das mulheres irá doar os óvulos e a outra carregará o embrião. Como a idade é um dos principais fatores que interferem na qualidade dos óvulos, é aconselhável que se opte pelo material da parceira mais jovem. A futura gestante não deve ter problemas médicos, como hipertensão, diabetes, obesidade ou epilepsia.

A doação de sêmen por parte de um parente ou amigo das parceiras não é permitida.

Homens solteiros e casais homoafetivos masculinos

Homens solteiros ou casais homoafetivos masculinos que optarem pela FIV irão precisar da doação de óvulos e de um útero de substituição para o procedimento de gravidez.

Após fertilizado e fecundado, o material é inserido em um útero doado temporariamente por uma parente consanguínea de até 4º grau (mãe, avó, irmã, tia ou prima). Na impossibilidade de um desses parentes passar pela gestação, o CFM analisará a possibilidade de outra pessoa próxima ceder o útero temporariamente.

Sobre a Huntington Pró-Criar

A Pró-Criar está completando 22 anos com uma novidade. A clínica, que desde 2018 passou a integrar o Grupo Huntington de Medicina Reprodutiva, agora passa a se chamar Huntington Pró-Criar. A nova marca une a experiência, o acolhimento e a eficiência de ambas as clínicas na área de reprodução assistida para potencializar o atendimento de excelência aos seus pacientes. Fundada em fevereiro de 1999 pelo Dr. João Pedro Junqueira Caetano, especialista em Reprodução Assistida pela AMB/FEBRASGO, a Huntington Pró-Criar é formada por uma equipe multidisciplinar de ginecologistas, urologista, embriologistas, psicólogos e enfermeiras com larga experiência em todas as áreas da reprodução humana.

Artigo anteriorTheatro Municipal celebra centenário de sua primeira bailarina negra
Próximo artigoSTF adia decisão sobre demissão em massa sem negociação sindical
■ Jornalismo: Jornalista há mais de 15 anos, Editor e um dos fundadores do jornal [ Brasil Agora (B.A) ] - [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 ■ Filiado: Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ | SJPMG) - Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) & na Ordem dos Jornalistas do Brasil (OJB) ■ Diretor em Minas Gerais da Associação de Imprensa Nacional (AIN) e apoio no setor Jurídico. _____________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT: Publicitário e Diretor [ Agência Grupo Conteúdo (GC) - Administradora de Jornais / Sites ] _____________________________________________________________________ ■ Advocacia: Advogado Gestor [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial / Digital ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)". _____________________________________________________________________ ■ Canal 'Crítica Musical' com Felipe de Jesus (YouTube): https://www.youtube.com/channel/UCIWDiTUL9F-xlKwov43B5nQ _____________________________________________________________________ ■ Formação Acadêmica (Graduações): Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é Jornalista (Faculdade Estácio de Sá - BH/MG), Publicitário (Instituto Politécnico-SP), Teólogo (Faculdade ESABI), Sociólogo (Faculdade Polis das Artes), Economista (USIP) & Advogado (FACSAL). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC) e atualmente cursa Eng. de Telecom. (Faculdade Nossa Senhora Aparecida) e Bacharelado em Ciências Musicais (Música) pela FACOR/MG. _____________________________________________________________________ Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]