Cidades mineradoras temem ‘colapso’

0
551
Da Redação

A Associação de Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig) alertou ontem o governador Romeu Zema (Novo) sobre o risco de colapso das cidades que dependem da atividade minerária, nos casos de interrupção das operações da Vale. Durante encontro na Cidade Administrativa, a diretoria da entidade solicitou ao chefe do Executivo mineiro que lidere um movimento de diálogo em defesa de toda a cadeia produtiva, garantindo a proteção de empregos no setor e em benefício da própria economia do Estado. A Amig teme o possível desemprego de cerca de 65 mil trabalhadores diretos e indiretos da mineradora.

O presidente da entidade e prefeito de Nova Lima, Vitor Penido, disse que se não forem adotadas medidas urgentes para manter a cadeia produtiva, diversos segmentos serão impactados com a possível paralisação da Vale. “As cidades que possuem atividades minerárias ativas correm risco de colapso com a interrupção das operações, especialmente Nova Lima, Brumadinho, Ouro Preto, Congonhas e São Gonçalo do Rio Abaixo”, ressaltou.

De acordo com o consultor de Relações Institucionais da Amig, Waldir Salvador, os reflexos econômicos não se restringem à Vale, mas também a outras mineradoras e fornecedoras de insumos, inclusive com as restrições em relação ao licenciamento ambiental. Segundo a Associação, muitas cidades hoje já estão tendo prejuízos. “O que não podemos mais admitir é que aconteçam tragédias como as de Mariana e Brumadinho. Mas atividade mineradora deve continuar pujante para que o Estado não perca a sua competitividade e representatividade econômica, o que é difícil de recuperar a curto prazo, até para diversificar sua matriz econômica que ainda é muito concentrada na mineração e siderurgia”, disse o consultor.

Durante o encontro, a Amig solicitou também a reedição do Conselho Estadual de Geologia e Mineração, que funcionaria como um órgão de assessoramento em assuntos relativos à mineração, para acompanhar e fomentar a atividade em Minas.

Ontem também, durante encontro com representantes da entidade, os diretores Executivo da Vale, Luiz Eduardo Osório, e o de Sustentabilidade Regional, Sergio Leite, informaram que a empresa não tem intenção de deixar Minas Gerais e que vai continuar investindo no Estado. A diretoria da Amig pediu que as barragens sejam transformadas em fontes de negócios para a geração de emprego e renda para os municípios.

Uma nova reunião foi agendada para a primeira quinzena de março entre a mineradora, a diretoria da Amig e prefeitos para conhecer em detalhes as condições de todas as barragens, o que vai acontecer de fato com a diminuição da produção no Estado, além de uma possível negociação de transição para esse período.
Procurado, o governo de Minas não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Artigo anteriorDoorgal Andrada luta contra o fechamento de escolas em Barbacena
Próximo artigoVetos a gratuidade nos ônibus para pessoas acima de 60 anos e usuários do SUS serão apreciados em BH
[ Jornalista e Editor do Brasil Agora - em BH/MG] ______________________________________________________________________________________________ Jornalista & Publicitário (FESBH), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes) e Economista (UNIP). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC), Doutorado (especialização profissional LIVRE) em Ciências Sociais Políticas (USIP) e atualmente cursa Direito (UNIESP-BH/FACSAL). Apaixonado por música, colabora com rádios e portais falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. "Minha paixão pela música me faz quase um pesquisador. Um amor que vem da adolescência" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui