Brasil é o país mais ansioso do mundo, segundo OMS

0
309

Pandemia da Covid-19 pode agravar casos de ansiedade e gerar uma nova onda de doenças mentais no país, diz especialista

Dados liberados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que o Brasil lidera o ranking de ansiedade no mundo. De acordo com a pesquisa, no país, mais de 18 milhões de brasileiros já sofriam com esse mal antes do surgimento do novo coronavírus. Com a pandemia da Covid-19 e todos os transtornos ocasionados pelo isolamento social e a doença em si, os casos relatados aumentaram e a tendência é que nos próximos meses mais pessoas possam começar a sofrer com esta e outras doenças psicológicas.

De acordo com a Ana Paula Ribeiro, psicóloga e especialista em neurofeedback, este é o momento de intensificar ainda mais a conscientização sobre a importância de cuidar da saúde mental, já que este é um ponto que pode causar tantos riscos quanto às doenças físicas. “Infelizmente, ainda vivemos uma cultura em que muita gente acha desnecessário cuidar da saúde psicológica. É comum encontrar pessoas que acham melhor gastar tempo e dinheiro com outras questões. Principalmente agora, em que tantos passam por dificuldades financeiras e, ao mesmo tempo, possuem medo de sair de casa, o apoio psicológico profissional pode ficar ainda mais comprometido”, diz.

A especialista conta que, por outro lado, muitas pessoas possuem preocupação com a saúde mental, mas com o surto do novo coronavírus estão deixando de cuidar do problema. “O medo se tornou tão grande que elas podem evitar cuidar de outros aspectos da saúde, já que estão muito preocupadas com o coronavírus. Portanto, é preciso mostrar que é possível – e essencial – cuidar desse ponto mesmo em casa”, destaca.

Toda essa dificuldade em procurar atendimento profissional e falta de conscientização sobre tal importância pode transformar a saúde mental em uma preocupação equivalente ao coronavírus. “O isolamento social, as dificuldades financeiras, a solidão, o medo, ansiedade, preocupação e tantos outros sentimentos que se tornaram comuns nesse período podem ocasionar transtornos graves, como a depressão, doença que quando não tratada pode levar ao óbito”, alerta Ana Paula.

Portanto, o melhor caminho é buscar informação de qualidade, conscientizar a população e oferecer atendimento acessível. “Com a liberação da telemedicina pelo Conselho Federal de Medicina, todos podem buscar atendimento sem sair de casa para minimizar os impactos desse momento. A saúde mental precisa de medidas de prevenção contra doenças tanto quanto a saúde física”, ressalta.

Fonte: Ana Paula Ribeiro Imbuzeiro, psicóloga, especialista em neuropsicologia, neurofeedback.

Artigo anteriorSaúde mental pode influenciar saúde bucal, entenda
Próximo artigoCaio Batalha lança clipe da canção ‘Vozes Sufocadas’
[ Jornalista e Editor do Brasil Agora - em BH/MG] - Graduação: Jornalista (FESBH), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes) e Economista (UNIP). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Universidade Europeia Miguel de Cervantes/UEMC), Doutorado Prof. em Ciências Sociais e Políticas (USIP) e atualmente cursa Direito (UNIESP-BH). Apaixonado por música, colabora no "CulturalizaBH/Portal UAI" e na "TV Balcão" com a coluna "Crítica Musical" falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. É também apaixonado por Sociologia, tanto que de sua graduação em Ciências Sociais: Sociologia, se tornou colunista de Opinião & Comportamento do portal da "RedeTV!" e "Rondônia Digital" e desta coluna, nasceu o "E-book: Sociedade Conectada: a Influência da Internet no Cotidiano". Da Economia, área ao qual foi repórter e sub-editor, se tornou colunista no "Divulga Gerais" após sua graduação em Ciências Econômicas: Economia. É colaborador de Jornais/Portais de Notícias, Diretor do Grupo Conteúdo - Agência de Notícias - Sites e também editora e assina matérias em alguns jornais de Minas Gerais e do Brasil. A escrita é sua maior base e paixão no Jornalismo. [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui