Fim do ano letivo: crianças e adolescentes sofrem com estresse excessivo em 2020

0
295

Especialista indica formas de reduzir a ansiedade e outros transtornos psicológicos para os jovens neste ano atípico para a vida escolar

2020 foi um ano conturbado para a toda a sociedade, principalmente crianças e adolescentes. Pela primeira vez, eles tiveram que enfrentar um período escolar totalmente diferente do que estavam acostumados, devido a pandemia mundial de coronavírus. A mudança na rotina, seguido da dificuldade em se readaptar, fez aumentar os níveis de estresse, além do índice de doenças psicológicas nessa faixa-etária.

De acordo com uma pesquisa realizada na Inglaterra pela YoungMinds, mais de 80% das crianças e jovens viram sua saúde mental piorar durante o isolamento social. Enquanto isso, no Brasil, a pesquisa “Educação não presencial na perspectiva dos alunos e famílias” – realizada pelo instituto Datafolha, em parceria com a Fundação Lemann, o Itaú Social e a Imaginable Future -, detectou, desde o início da pandemia, o aumento em problemas como falta de motivação, tristeza, irritação e ansiedade em adolescentes de todo o país.

Segundo Roneida Gontijo, psicóloga e psicopedagoga, o final do ano pode intensificar tais problemas, já que o fim do ano letivo e expectativas sobre o que foi aprendido e o próximo ano, preocupa bastante os filhos, além dos pais. “Eles acabam se cobrando muito mais nesse momento. O aprendizado foi difícil nesse ano, muitos estudantes tiveram dificuldade para se adaptar às plataformas de ensino à distância, devido a falta de estrutura e ao nosso modelo cultural de ensino. Por isso, muitos chegam agora no final do ano com a sensação de que fracassaram ou que poderiam ter se esforçado mais”, diz.

Roneida acrescenta que esses sentimentos são gatilhos fundamentais para o desenvolvimento ou intensificação de problemas psicológicos, tais como a ansiedade, depressão, estresse, dentre outros.

A psicóloga também comenta o agravante para os adolescentes que estão terminando o ensino médio. “Em janeiro, acontece o ENEM e os principais vestibulares do país. Essas são provas que, para a maioria dos estudantes, definem a relação deles com o futuro. Portanto, a preocupação e a carga emocional estarão ainda mais à flor da pele”, alerta.

O que fazer para reduzir a tensão emocional

Roneida concorda que o período é difícil para conseguir reduzir o estresse. Porém, a especialista afirma que alguns hábitos são decisivos para manter o equilíbrio e evitar riscos à saúde psicológica e física. Confira os principais:

Acompanhamento médico: nesse momento, o psicólogo é o principal aliado. O acompanhamento com esse profissional é fundamental para manter o bem-estar, seja na infância, adolescência ou vida adulta. Além disso, a rotina médica com especialistas na saúde física também deve ser mantida, já que o emocional também pode afetar o funcionamento de todo o organismo.

Compreensão dos pais: os pais também possuem papel essencial na saúde dos filhos. Nesse momento, é necessário dar apoio e compreender as dificuldades deles. Evite cobrar o mesmo desempenho escolar de antes da pandemia. Mantenha o diálogo aberto e saiba relevar situações em que eles não tiveram culpa.

Lazer também é necessário: evite exageros, mas também permita que os jovens façam atividades que gostam. Permita o uso do celular, conversas com amigos, dentre outras atividades que os façam se sentir mais relaxados.

Fonte: Roneida Gontijo, psicóloga e psicopedagoga.

Artigo anteriorCasos de infarto aumentam mais de 30% durante pandemia
Próximo artigoHonorários advocatícios: quando e como é devido?
Editor e fundador do Jornal Brasil Agora [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 Diretor do 'Grupo Conteúdo' - Agência de Notícias | Publicidade & Marketing Digital. Siga o Instagram e leia outras matérias e artigos:@felipe_jesusjornalista. ______________________________________________________________________________________________ Formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Relações Públicas (Universidade UIB/EUA), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP), Economia (Universidade UNIP/SP), Bacharel em Direito (Universidade - UNIESP/FACSAL-BH/MG) e Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Univ. UEMC/Espanha). Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui