Incontinência Urinária atinge mais de 30% das mulheres em pós-menopausa no Brasil

0
225

Problema tem tratamento, mas vergonha ainda impede pacientes de obterem diagnóstico adequado; quando não tratada doença pode afetar qualidade de vida e levar a quadros depressivos

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 35% das mulheres, após passar pelo período da menopausa, desenvolvem o quadro de incontinência urinária. Essa condição ainda sofre com muitos tabus e dúvidas, algo que está diretamente relacionado à falta de diagnóstico adequado. Dessa forma, a qualidade de vida começa a ser afetada e a doença pode se transformar em gatilhos para transtornos psicológicos e físicos mais graves.

Ainda de acordo com dados da SBU, cerca de 40% dos pacientes evitam buscar auxílio profissional devido a vergonha. No entanto, Rebecca Sotelo, médica ginecologista e uroginecológica, ressalta que a melhor forma de recuperar o bem-estar e evitar danos mais graves é por meio de um tratamento adequado. “Boa parte da população ainda desconhece as reais causas, tratamentos e formas de evitar o problema. Porém, a boa notícia é que a tecnologia nos ajuda cada vez mais com a solução e, na maioria dos casos, é possível se recuperar 100% dos sintomas”.

A especialista explica que a incontinência urinária se caracteriza pela perda involuntária de urina e o primeiro passo ao sentir os sintomas é buscar auxílio médico. “Além do transtorno físico, os principais riscos da doença estão relacionados com aspectos psicológicos, já que as vítimas dessa condição tendem a se isolar e evitar contato externo com outras pessoas, causando sintomas depressivos, ansiedade, dentre outros. Portanto, quanto mais cedo buscar um especialista, mais rápido será possível a recuperação”, diz

Causas e tratamento

Dra. Rebecca esclarece que as principais causas da incontinência urinária são algumas doenças adquiridas ao longo da vida, como obesidade e outras doenças crônicas. Além disso, a gravidez e a menopausa são fatores relacionados, por isso o problema se apresenta principalmente em mulheres acima dos 40 anos. “O ideal é sempre receber acompanhamento médico para identificar qualquer alteração prévia, assim iniciamos o tratamento o mais precocemente possível”, acrescenta.

De acordo com a especialista, apenas após exames e avaliação será possível identificar o melhor tratamento. “Tudo irá depender da resposta do organismo de cada paciente e as causas do problema. O tratamentos mais comuns envolvem modificações de estilo de vida, fisioterapia pélvica, medicamentos, aplicação da toxina botulínica na região da bexiga ou cirurgias em caso mais graves”, completa.

Fonte: Dra. Rebecca Sotelo, Médica ginecologista obstetra, com pós-graduação em uroginecologia. Especialista em tratamento de incontinência urinária, prolapso genital e outros distúrbios do assoalho pélvico feminino.

Artigo anteriorAté quando? Há quase dois anos Fernando Meira da ONG pede a reintegração dos cobradores nos ônibus da RMBH
Próximo artigoRoupa branca: erros na lavagem pode acabar com as peças
Editor e fundador do Jornal Brasil Agora [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 ______________________________________________________________________________________________ Formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Relações Públicas (Universidade UIB/EUA), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP) e Economia (Universidade USIP/SP). Tem Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Univ. UEMC/Espanha) e atualmente cursa Direito (Universidade - UNIESP/FACSAL-BH/MG). Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui