Vacinas x fake news

Ministério da Saúde inclui gestantes no grupo prioritário do imunizante contra a Covid-19

Desde o anúncio da vacinação contra o Novo Coronavírus no Brasil, em dezembro do ano passado, muito tem se falado sobre o assunto, dúvidas surgem a todo momento e as fake news vêm se tornando cada vez mais frequentes. Além das invenções que não possuem fundamentos científicos sobre a vacina contra a Covid-19 e imunizantes de outras doenças, recentemente, o Ministério da Saúde incluiu as grávidas e mulheres no período pós-parto (puérperas) na lista de vacinação contra a doença.

“A vacina, em geral, é algo muito importante, já que ao se vacinar, você garante imunidade às doenças e não possui o risco de contaminar outras pessoas, o que pode ocasionar resultados fatais”, explica o cardiologista, Gilmar Reis.

Ele ainda ressalta que as pessoas precisam ter “uma conscientização sobre a vacinação em massa, para que a população em geral entenda seus benefícios, como a redução da mortalidade pela doença e a diminuição do número de internações. “É de extrema importância para deixar a nação protegida e livre desse vírus mortal e suas variantes”.

Ana Brito é pesquisadora do Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz-PE) e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco (UPE). Para ela, eficiência e confiança, são concepções bem diferentes uma da outra.

Há pouco tempo, a pesquisadora relatou à Folha de Pernambuco que “a segurança de uma vacina é medida pela capacidade que ela tem de não colocar em risco a saúde da população e é calibrada nos ensaios clínicos 1 e 2. Todas as vacinas em uso estão no ensaio clínico 3 ou já passaram dessa fase. A eficácia é a capacidade de induzir uma proteção”, diz.

Segundo a cientista, “a CoronaVac foi testada em um ensaio com mais de 13 mil pessoas. Uma taxa de 50% significa que ela é capaz de proteger 50% das pessoas que a tomaram para qualquer forma da doença, desde a assintomática até a grave. E 78% não desenvolveram nenhuma forma grave ou moderada. Nenhuma evoluiu para o óbito ou precisou do atendimento especializado”.

Nos grupos de aplicativos de mensagens, os mitos sobre os efeitos adversos dos imunizantes têm se espalhado de forma gradativa e prejudicado muitas pessoas, que, infelizmente, acreditam na veracidade das informações falsas, causando até mesmo o óbito em alguns casos. Afirmações como: “a vacina vem com chips manipuladores e pode causar câncer e AIDS, além de alterar o DNA humano”, entre outras semelhantes, sem nenhuma veracidade médica.

O Ministério da Saúde fez um levantamento nos últimos dias onde consta que 1,5 milhão de cidadãos brasileiros não retornaram aos pontos de vacinação para tomar a segunda dose do imunizante contra a Covid-19, lastimavelmente, em muitas situações, o problema é exatamente as informações controversas e mentirosas sobre a vacina.

“Em geral, qualquer produto farmacêutico pode gerar reações ao organismo. Para tudo isso, há protocolos para lidar com esses casos, mesmo que os considerados fatais ainda sejam considerados pouco comuns”, pontua o cardiologista.

Grávidas imunizadas

Tendo em vista o alto índice de gestantes que sofreram complicações durante a gravidez e o número de mortes quando estas foram diagnosticadas com Covid-19, o Ministério da Saúde inclui agora as mulheres grávidas e que estão no período de resguardo no grupo prioritário para ser imunizado.

Esta semana, Minas Gerais recebeu a primeira dose da Pifzer e uma boa quantidade da CoronaVac para dar prosseguimento à vacinação com os idosos e já incluir as gestantes na listagem. 13,6% das doses de AstraZeneca serão para as mães que aguardam dar à luz e as puérperas. Já os 21,6% serão destinados aos idosos com idade entre 60 e 64 anos.

Os cuidados precisam continuar

Mesmo após a imunização, os cuidados precisam continuar. No caso do Novo Coronavírus, a vacinação impede que os sintomas se permeiam de forma pesada no paciente, mas não impedem que essas pessoas transmitem o vírus, portanto, o uso de máscara protetora, álcool gel nas mãos e não participar de aglomerações, são regras fundamentais no combate a proliferação da Covid-19.

Outrossim, mesmo que não haja motivos para medo, não se deve esperar que a vacina traga a vida normal de volta imediatamente. “A vacinação é uma medida de proteção coletiva, então, ainda é necessário ter o máximo de pessoas vacinadas para que o vírus não tenha mais ninguém para atingir”, perfaz o especialista.

Fonte: Gilmar Reis, Cardiologista e especialista em Clínica Médica e Medicina Intensiva, é pesquisador e coordenador do Centro de pesquisa Clínica CARDIOLAB (@dr_gilmarreis).

Artigo anteriorGestantes precisam redobrar cuidados para evitar trombose
Próximo artigoFirjan e Sesi promovem torneio de robótica em formato virtual
■ Jornalismo: Editor e fundador do jornal [ Brasil Agora (B.A) ] - [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 - Filiado: FENAJ & FIJ | AIN | SINAJ | Abramídia | UBI ______________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT - Diretor [ Grupo Conteúdo (GC) ] ______________________________________________________________________ ■ Advocacia: Gestor Adv. [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial / Digital ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)". ______________________________________________________________________ ■ Graduado: Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP), Economia (Universidade USIP), Direito/Advocacia (FACSAL/MG) , Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e C.Informação (Univ. UEMC) e atualmente cursa Engenharia de Redes & Telecomunicações - Seg. Digital (FCCNA). ______________________________________________________________________ Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]