Pandemia causa aumento de endividamento para famílias brasileiras

Educador financeiro orienta sobre as formas de reverter a situação e evitar o maior número de inadimplência

De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o número de famílias com dívidas no Brasil atingiu o recorde em julho deste ano ao chegar no percentual de 67,4%. Esse é um número histórico causado, principalmente, pelas consequências da pandemia mundial do novo coronavírus.

Porém, segundo o educador financeiro Sílvio Azevedo, alguns outros motivos também estão ligados a esse alto índice. Entre eles, a falta de educação financeira desde a infância nos lares brasileiros alavanca a dificuldade que muitas famílias possuem em organizar o orçamento mensal. “Infelizmente, essa é uma realidade que ainda faz parte da cultura nacional e precisa ser repensada urgentemente. A pandemia evidenciou os riscos da falta de planejamento. Muitas pessoas vivem pensando apenas em necessidades do presente e não sabem como poupar corretamente, investir seus ganhos, traçar um plano e criar estratégias para conseguir lucrar em longo prazo. E o mais importante para momentos como o atual: não conhecem a importância de uma reserva financeira de emergência. Isso abala não só as famílias em si, como todo o sistema econômico do país”, alerta o especialista.

A falta de conhecimento em todos esses pontos, acabam criando um ciclo vicioso que contribui para o alto índice de endividamento. “Se não existe um planejamento adequado e uma reserva emergencial para cobrir gastos imprevistos, é normal que ocorra o aumento na taxa de inadimplência e a procura por crédito, principalmente em períodos de recessão econômica”, comenta.

Portanto, a melhor forma de evitar essa situação e se preparar melhor para o futuro, é investindo na educação financeira de qualidade. “Nunca é tarde para dar início a esse aprendizado. Comece pelo básico: planejamento de gastos, uma poupança para garantir um fundo de emergência, investimentos com responsabilidade, dentre outros. Além disso, passe esse conhecimento adiante, ensine a família a importância dessas características, saiba dizer ‘não’ quando necessário e analisar o que pode ser um investimento para o futuro”, orienta o educador.

Fonte: Sílvio Azevedo, administrador de empresas, com ampla experiência no setor bancário e consultoria, especialista em mercado e educação financeira. Membro do MDRT (Million Dollar Round Table). É diretor e fundador da AZV Investimentos (azvinvestimentos.com.br / Redes Sociais: @silviocazevedo).

Artigo anteriorExposição mostra obras de Lorenzato que expressam o amor por BH
Próximo artigoPrimavera/Verão: como preparar o corpo para a época mais quente do ano?
■ Jornalismo: Jornalista há mais de 15 anos, Editor e um dos fundadores do jornal [ Brasil Agora (B.A) ] - [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 ■ Membro e filiado com Registro Profissional na Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ | SJPMG) - Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ). Associado na União Brasileira de Imprensa (UBI) ■ Diretor e Associado na 'Associação de Imprensa Nacional (AIN)' e apoio no setor Jurídico. _____________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT: Publicitário - R.P: 3040 (DRT) - [ Agência Grupo Conteúdo (GC) - Administradora de Jornais / Sites ] e Setorial Comunicação Empresarial (SC). _____________________________________________________________________ ■ Advocacia - Adv. apoio na gestão - [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial / Digital ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)" | Associação Brasileira de Advogados e Bacharéis em Direito (ABRABDIR). _____________________________________________________________________ ■ Fotografia: Repórter Fotográfico - R.P: 20.400 (DRT) _____________________________________________________________________ ■ Canal 'Crítica Musical' com Felipe de Jesus (YouTube): https://www.youtube.com/channel/UCIWDiTUL9F-xlKwov43B5nQ _______________________________________________________________________ ■ Formação Acadêmica (Graduações): Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é Jornalista (Faculdade Estácio de Sá - Centro Universitário - BH/MG), Publicitário (Instituto Politécnico-SP), Teólogo (Faculdade ESABI), Sociólogo (Faculdade Polis das Artes), Economista (USIP) e Advogado (FACSAL/UNIESP-S.A). É Mestre em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC) e atualmente cursa Eng. de Telecom. (Faculdade Nossa Senhora Aparecida) e Bacharelado em Ciências Musicais (Música) pela FACOR/MG. _____________________________________________________________________ Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ________________________________________________________________________ ■ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]