E O ISOLAMENTO (AINDA) NÃO ACABOU: 3 DICAS PARA NÃO PIRAR COM O ENSINO REMOTO!

0
516

Completamos 1 ano de pandemia no Brasil. Apesar do nosso desejo de retorno à normalidade, ainda precisamos manter o isolamento e todos os protocolos de segurança. E de que forma isso tem afetado diretamente os estudantes?

Ninguém poderia imaginar que, 1 ano depois do início da pandemia, ainda estaríamos vivendo em isolamento. E por mais que a chegada da vacina tenha trazido um feixe de luz (nos indicando o fim do túnel), ainda temos um bom caminho pela frente antes de voltarmos ao “antigo normal”

E como isso tem nos afetado a vida dos estudantes?

Ensino remoto x EAD

Bom, antes de mais nada, é importante estabelecermos uma diferença: ensino remoto e EAD são coisas diferentes. Erroneamente, temos visto um sendo usado como sinônimo do outro, o que causa uma grande confusão.

Quando pensamos em EAD, estamos falando de um modelo educacional pensado para ser feito a distância. Por isso, segue uma metodologia bastante específica, a fim de que os estudantes não se sintam (e não sejam, de fato!), prejudicados no comparativo com o ensino presencial.

Aqui na PreparaTODOS, temos uma plataforma recheada de cursos no modelo EAD, que foram estruturados especificamente para que os nossos alunos tenham a melhor experiência de ensino possível.

Mas então o que é o ensino remoto?

Bem, com a chegada da pandemia, o ensino presencial precisou se adaptar à nova realidade de distanciamento social. Com isso, os alunos desses cursos passaram ao modelo remoto (ou seja, distante no espaço) de maneira emergencial.

Isso significa que as aulas tiveram que ser adaptadas e, em sua maioria, ainda hoje, seguem um padrão de “aula presencial gravada ou transmitida ao vivo”.

As consequências do Ensino Remoto Emergencial

Justamente por não ter sido pensado para esse propósito – sendo, assim, uma versão “adaptada” -, o ERE  não segue um padrão e nem ao menos um modelo mais confortável, seja para o professor ou para o aluno.

Assim, pesquisas já têm apontado que as suas consequências são de ordem física e emocional: cansaço extremo, ansiedade e depressão são alguns dos sintomas.

Por isso, se você está enfrentando o ensino remoto, separamos 4 dicas para torná-lo menos cansativo:

  • Estipule um horário

Já é comprovado que assistir aulas pelo ensino remoto é mais cansativo do que no modelo presencial. Além da perda da interação, não estamos acostumados com essa realidade, o que exige de nós um maior esforço para acompanhar e compreender o que está sendo ensinado.

Por isso, é muito importante determinar o número de horas que você vai passar diante da tela para evitar um cansaço excessivo.

  • Faça uma atividade física

O esgotamento está diretamente ligado a um excesso de atividade mental. Já estamos ansiosos e assustados com o contexto da pandemia, o que nos torna mais suscetíveis a uma “pane no nosso sistema”.

Por isso, é muito importante separar um horário para desligar a mente e gastar energia. Pode ser uma caminhada ou mesmo dançar na sala de casa: o importante é mexer o corpo!

Isso vai trazer relaxamento e mais disposição para seguir em  frente

  • Medite!

Não, meditar não é uma prática religiosa. É, na verdade, um conjunto de técnicas que ajudam a trazer relaxamento clareza mental.

Feche seus olhos e foque apenas na sua respiração. Sempre contando até três para cada etapa, inspire, segure o ar, expire e prenda a respiração.

Repita esse ciclo por 10 a 20 minutos e veja a diferença que isso vai trazer para sua vida diária, ajudando você, inclusive, a ganhar mais foco durante o momento dos estudos.