Sexualidade feminina após os 40: essa pode ser a melhor fase da sua vida!

0
236
Happy strong sporty woman hugging herself with natural emotional enjoying face. Love concept of yourself body

Eliminar tabus acerca do assunto pode proporcionar novas experiências e muita satisfação para as mulheres; confira dicas para aumentar o desejo sexual nessa idade

A sexualidade feminina ainda é um tabu em muitos ambientes. No caso das mulheres maduras, por exemplo, muitos ainda acreditam que elas perdem o interesse em sexo ou, simplesmente, não precisam mais pensar no assunto. Porém, isso é um grande mito. Na realidade, quanto mais experiente, melhor podem ser as sensações e experiências desse momento. Além disso, a confiança adquirida ao longo dos anos faz com que seja muito mais fácil sentir o clímax sexual e entender o que realmente gosta – seja com o parceiro ou sozinha.

Aline Bicalho, consultora em sexualidade, diz que, culturalmente, ainda há um longo caminho a percorrer para realmente proporcionar a liberdade que as mulheres precisam e desejam no assunto. “Muitas mulheres nessa fase já são mães e ainda existe aquela crença de que, após a maternidade, não pensamos mais em sexo. Enquanto isso, mesmo para aquelas que não são mães, também ainda existe o pensamento de que mulheres que falam em sexo e se permitem experimentar aquilo que desejam não são dignas de respeito ou adimiração”, diz.

Porém, segundo Aline, a boa notícia é que essa realidade já está mudando cada vez mais. “Com o empoderamento feminino, conseguimos mostrar que não existe nada de errado em falar sobre sexualidade e expressar seus desejos. E, para as mulheres após os 40, esse assunto pode se tornar ainda mais presente e interessante, já que nessa fase elas podem desenvolver melhor a autonomia e confiança”, garante.

Dicas para explorar o prazer após os 40

Mesmo estando em uma época mais livre, muitas mulheres nessa fase ainda possuem dificuldade em explorar o próprio corpo devido aos costumes do momento em que nasceram e foram criadas, além dos tabus que ainda estão presentes na sociedade atual. Pensando nisso, Aline separou algumas dicas que podem ajudá-las a se sentirem mais livres e dispostas a experimentar novas sensações. Confira:

Autoconhecimento: “O primeiro passo é conhecer a si mesma e ser sincera com o que deseja. Tem algum fetiche? Ou simplesmente gosta de sexo da forma mais habitual? O mais importante é se sentir à vontade para fazer da forma que achar mais interessante e prazerosa. E além do autoconhecimento interno, o externo também é muito importante. Faça um reconhecimento anatômico. Pegue um espelho e olhe para sua vulva, veja a forma – que é única como a sua digital -, toque, sinta o cheiro, faça amizade com ela. E não hesite na auto estimulação, ou seja, a masturbação, que é a melhor forma de entender seu corpo e de saber como você gosta de ser estimulada. Conhecendo o caminho do seu prazer, você poderá levar seu parceiro até lá”.

Converse sobre o assunto: “Pode ser com as amigas, com o parceiro ou com quem se sentir mais à vontade e confiante. Fale dos seus desejos e troquem experiências. É comum ter um pouco de medo no início, mas logo após iniciar o assunto percebe-se que a maioria das pessoas gosta de falar sobre e isso é uma ótima forma de se sentir mais confiante. Além disso, o diálogo é super importante com o parceiro para que, juntos, vocês possam experimentar o que tem vontade, algo que ajuda a aquecer, fortalecer a relação e evitar a famosa rotina”.

Brinquedos eróticos podem se tornar os seus melhores amigos: “Quando falamos em novas experiências, os brinquedos eróticos são a melhor opção. Seja para usar sozinha ou com parceiro, eles são uma fonte inesgotável de prazer e sensações diferentes. Existem diversos modelos, funções e formas de utilizá-los para acrescentar no prazer”.

Fonte: Aline Bicalho, consultora em sexualidade. Formada em sexualidade, erotismo e cultura, Líder A Sós. Empresária e criadora do Movimento Amigas Da Bunita. Casada e mãe de 3 filhos.

Artigo anteriorEspecialista explica sobre psoríase e SUS terá novo medicamento para a doença
Próximo artigo3 erros comuns que um líder precisa evitar
Editor e fundador do Jornal Brasil Agora [BH/MG/Brasília-DF] - Ano: 2015 ______________________________________________________________________________________________ Formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Relações Públicas (Universidade UIB/EUA), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP) e Economia (Universidade USIP/SP). Tem Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Univ. UEMC/Espanha) e atualmente cursa Direito (Universidade - UNIESP/FACSAL-BH/MG). Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui